Blog do Quesada

Arquivo : dezembro 2012

A ‘vencibilidade’ de Tite
Comentários 36

Leandro Quesada

O melhor momento da carreira do técnico é consagrada com a conquista da tríplice coroa do Corinthians.

No período de um ano e doze dias, o Timão foi campeão do Brasileirão (4 de dezembro de 2011), da Libertadores (4 de julho de 2012) e da Copa do mundo de clubes (neste 16 de dezembro).

E pensar que em fevereiro de 2011, quando o time foi eliminado, precocemente, pelo Tolima, em Ibagué, na Colômbia, teve início a campanha “Fora Tite”.

À época, o presidente Andrés Sanchez, segurou o treinador no cargo apesar da enorme pressão para demití-lo. Andrés estava certo. Manter o gaúcho foi a decisão mais adequada. Os resultados vieram aos poucos.

O projeto a médio prazo naquela situação valia mais do que qualquer coisa. Era necessário romper com a cultura de demitir o treinador a cada fracasso. Antes da eliminação da Libertadores de 2011, o Timão no final da temporada anterior não conseguira chegar ao título do campeonato brasileiro, algo que já pressionava Tite.

Tite ficou, viu e venceu. O trabalho diário, a estrutura de primeiro mundo do clube, o centro de treinamentos e o hotel, levaram a equipe ao sucesso rápido. É certo que o comando de Tite contribuiu para as conquistas históricas.

Em campo, ele formou um time coeso, equilibrado nos setores, frio em alguns momentos como se fosse um rival europeu. Time experiente, com jogadores dispostos a cumprir as obrigações táticas propostas. Um time vencedor.

A ‘vencibilidade’ de Tite é agora concluída com a Copa do mundo de clubes da Fifa.

20121218-082927.jpg


Corinthians projeta R$ 330 mi de receita em 2013
Comentários 38

Leandro Quesada

O contrato milionário de transmissão das TVs, o patrocínio da Caixa e outros parceiros, o novo acordo com a Nike, as bilheterias e a venda de produtos licenciados são as fontes de renda do Corinthians para o ano que vem.

O vice de finanças, Raul Correa, projeta: “Sem considerar a venda de jogadores, no ano que vem nosso orçamento é de 330 milhões de reais. A dívida está no patamar de 180 milhões de reais”.

Raul Correa destaca o valor da marca e do patrimônio do Corinthians. “A marca Corinthians foi avaliada por 1 bilhão (reais) como fundo de comércio. Já o patrimônio (novo estádio, centro de treinamentos e Pq. São Jorge), outro 1 bilhão”, revela.

20121217-181856.jpg


Corinthians, o legitímo bi-campeão do mundo
Comentários 9

Leandro Quesada

Doze anos depois da conquista no Maracanã, o Corinthians levanta o segundo título mundial de clubes da Fifa. Foi em Yokohama, palco da conquista do penta da seleção brasileira na Copa de 2002. No local, outros brasileiros também foram campeões: São Paulo em 2005 e Internacional no ano seguinte. O local é fonte de inspiração para o futebol do Brasil.

Tática perfeita O técnico armou o esquema baseado no equilíbrio da defesa e do ataque. Passando pelo meio-campo ágil e criativo. É lógico que nem tudo deu certo. Dou outro lado estava o forte time do Chelsea, campeão da Europa.

O clima de Pacaembu esteve dentro do Yokohama Stadium. Milhares de corinthianos criaram uma atmosfera favorável no local. Os jogadores do Timão sentiram isso, com certeza. A fiel torcida é um caso à parte nesta vitória.

Cássio fez uma monstruosa atuação. Ele defendeu até vento no jogo final no Japão. No estádio em que Marcos (pela seleção na Copa de 2002) e Rogério Ceni (no Mundial de clubes de 2005) fecharam o gol, Cássio repetiu as performances dos outros goleiraços. “Petr” Cássio foi escolhido o melhor jogador do Mundial.

Paulo André teve atuação firme. O zagueiro jogou sério, na bola o tempo todo. Liderou a defesa na tarefa de parar Torres, Mata, Hazard e depois Oscar.

Jorge Henrique cumpriu todas as missões. Na marcação, na cadência do jogo e na parte ofensiva. Jogadorzaço.

Danilo foi fundamental pela frieza com que dita o ritmo da equipe. É o jogador mais europeu do Corinthians. Ele causou inveja ao Chelsea.

O predestinado Guerrero foi o herói da conquista. Ele viajou ao Japão correndo o risco de não disputar o Mundial de clubes por causa de uma contusão no joelho. Mas ele se recuperou, jogou e fez os gols nas partidas contra Al Ahly e Chelsea. Guerrero faz jus ao sobrenome que carrega.

Tite é o cara. No intervalo de um ano e doze dias, o técnico conduziu o Timão nos títulos do Brasileirão (4 de dezembro de 2011), Libertadores (4 de julho de 2012) e Copa do mundo de clubes (neste 16 de dezembro).

O segundo título coloca o Corinthians no mesmo patamar do Santos, também bi mundial.

20121217-005229.jpg

20121217-010619.jpg

20121217-012449.jpg

20121217-012644.jpg


Lado esquerdo do Chelsea é a preocupação de Tite
Comentários 10

Leandro Quesada

A entrada de Jorge Henrique tem explicação tática. O lado esquerdo do time inglês é o ponto forte. E na tentativa de diminuir a força deste setor, Tite saca o indolente Douglas.“Não é técnica a mudança mas sim por respeito ao plano tático”, explicou o treinador.

Jorge Henrique terá várias missões no duelo contra o Chelsea. Ajudar Alessandro na marcação, dar a velocidade que o técnico tanto deseja na ligação dos setores e trocar com qualidade passes com Emerson, Guerrero e Danilo. “Vou fazer o melhor. A chance surgiu e vou ajudar em todos as funções. Vou para o ataque”, disse Jorge Henrique.

Ashley Cole, Hazard, Oscar e Juan Mata formam o temido lado esquerdo do Chelsea. Danilo avisa que é bom o adversário tomar precauções também: “No futebol é assim. Nós devemos tomar os cuidados na defesa mas quando tivermos a bola, é criar para fazer o gol. Temos dois velocistas, eu e Paulinho chegando”.

20121215-212137.jpg


Jorge Henrique desponta como substituto de Douglas na final
Comentários 7

Leandro Quesada

Revelada a disputa por vaga no time titular do Corinthians na conversa que tive com o Tite aqui no Japão.

“Douglas ou Jorge Henrique. Estou analisando. Hoje eu passo pra você, Quesada. Já está bem encaminhado”, revelou o técnico corinthiano.

Tite afirmou que os jogadores “já foram avisados e estão cientes da mudança. Quero falar com eles antes e depois informo os jornalistas”.


Elogios para ‘inglês ver’
Comentários 7

Leandro Quesada

Antes da final do Mundial de clubes do Japão, o discurso do Chelsea é o do anti-confronto. O adversário do Timão abusa das boas palavras quando fala do oponente brasileiro aqui em Yokohama.

Elogios ao Corinthians são reforçados por todos no lado britânico. Rafa Benitez destacou o conjunto do campeão da Libertadores. O goleirão Cech diz que o colega Cássio vive bom momento. Oscar reconhece a força do rival. Lampard se diz impressionado com a fiel torcida. David Luiz afirmou ser especial enfrentar o clube de infância. Torres afirma que a equipe de Tite é organizada.

Hum! Sei não!!! Não consigo captar estes elogios em série feitos pelo profissionais do Chelsea.

Esta retórica é totalmente diferente das usadas por outros clubes da Inglaterra que disputaram a final do Mundial. O Manchester United (contra o Palmeiras em 99) e o Liverpool (diante do São Paulo em 2005) usaram a impáfia comum dos britânicos.

Para os ingleses vale o ditado: “Respeito é bom e conserva os dentes”.

20121214-232345.jpg


Tite quer mudar time na decisão do Mundial
Comentários 31

Leandro Quesada

Preocupado com a falta de agilidade no meio-campo do Corinthians, o técnico corinthiano revelou a idéia de mudar a escalação para final, da Copa de Mundo de clubes da Fifa, contra o Chelsea.

“Quero opção de velocidade para os lugares de Danilo e Douglas. As opções são Romarinho, Jorge Henrique e Edenilson”, explicou Tite ao ser questionado sobre mudanças na equipe. “Uma mudança pelo menos no meio-campo devo fazer”, conclui.

Tite não gostou da atuação do time nos trinta minutos finais do duelo com o Al Ahly. Perder a “pegada” não é um bom sinal. Manter a força no ataque da eficiência na defesa são necessidades básicas para uma equipe que busca a vitoria diante de um forte campeão europeu.

Os ingleses do Chelsea venceram os mexicanos do Monterrey, em Yokohama. Tite, alguns jogadores e dirigentes viram o jogo no Yokohama Stadium. Depois do passeio britânico, o treinador elogiou David Luiz: “Ele jogou de segundo volante. E foi bem”.

20121214-232831.jpg


Corinthians está na final mas Tite quer mais
Comentários 9

Leandro Quesada

Tite reclamou dos “últimos trinta minutos” do Corinthians na partida que rendeu a vaga na final do Mundial de Clubes.

Se no primeiro tempo, o duelo em Toyota foi “defesa contra ataque”, na segunda etapa o Al Ahly equilibrou as ações mas não construiu o suficiente para virar o placar.

Predestinado Guerrero deixou o Brasil com o risco de não atuar aqui no Japão. Ele não apenas se recuperou, como também jogou e fez o gol da vitória. O peruano caiu nas graças da Fiel torcida. O atacante que é uma celebridade no Peru já chama a atenção dos japoneses.


O favorito Corinthians
Comentários 6

Leandro Quesada

Esqueça os discursos politicamente corretos. O Corinthians é o favorito para vencer os egípcios na semi. As diferenças técnica e tática são enormes. Favorito e com a obrigação de avançar.

Dentro desta análise, seria uma zebra o campeão africano eliminar o campeão da Libertadores.

O Corinthians de Tite é um time consistente, vibrante e com a frieza na medida certa para alcançar os objetivos. O Al Ahly é uma equipe bagunçada, fraca no sistema defensivo e que joga para o bom Aboutrika.

Não bastasse as observações futebolísticas, outro ponto que aumenta o favoritismo corinthiano é a fiel torcida. Milhares de alvinegros estarão no Toyota Stadium. O calor humano é o combustível para aquecer a atuação do Corinthians no frio Japão.

20121212-155357.jpg


São Marcos do Palestra Itália
Comentários 1

Leandro Quesada

A história de um dos maiores goleiros da história do futebol está acabando. E que história! Repleta de momentos mágicos e vitórias. Também cheia de passagens difíceis e quedas. Como deve ser na vida dos grandes gênios. E Marcos foi genial, único, incomparável…

Marcos superou as dores nos ombros, suportou os pinos no corpo e as rotinas de treinos. Foi campeão e caiu. Caiu e levantou.

Fez jus ao histórico centro de formação de goleiros da Academia de futebol se transformou em um símbolo desta posição tão exigida no esporte mais popular do mundo.

Marcos foi amado por palmeirenses e admirado até por corinthianos. E olha que os rivais teriam todos os motivos para odiá-lo, não é, Marcelinho? Marcos quebrou barreiras clubistícas mesmo tendo vestido apenas o manto verde, algo incomum nos nossos tempos.

Foi campeão do mundo no Japão e no mesmo ano foi rebaixado. Antes, ergueu a Libertadores, a conquista inesquecível. Ídolo que não será substituído tão cedo ou talvez jamais.

Fora de campo Marcos foi e é tão bom quanto na pele de boleiro. As prosas com os amigos, o cigarrinho, o whiskie e a música sertaneja foram as provas de que aquele monstro das traves é um ser humano como qualquer outro. Que riu, chorou, caiu, bebeu e levantou. E venceu!

Obrigado, São Marcos do Palestra Itália.

20121212-111610.jpg